29 de jan de 2009

Feliz ano do boi (mas dá pra fazer menos barulho)

Lá no longíquo século 11, um chinesinho descobriu um negocinho que mudaria a história do mundo: a pólvora! Mais do que armas, a pólvora serviu para que eles inventassem uma outra coisinha que fascinaria o planeta azul. Colocando o material dentro de bambus e depois tascando fogo, os chinesinhos fizeram os primeiros fogos de artifício. Com o tempo foram aprimorados até virarem verdadeiros espetáculos em cerimônias e celebrações.

Espetáculo que é até muito, mas muito bonito por aqui durante o período do ano-novo chinês. É um show de cores e sons intermináveis! Mais do que isso, é um grande show popular, uma iniciativa do carinha que trabalha o ano inteiro e quer ver o céu enfeitado. Um show de 16 milhões de carinhas, na realidade, aqui em Beijing.


Lindo, não?

Quer dizer, quase. Estou achando seriamente que a única indústria que não foi atingida pela maledeta crise financeira global foi a de fogos de artifício. Duvida? Há SEMANAS que todos os dias, durante o dia inteiro, escutamos sequências de "bum, bum, buuuuuuuuuuuuum" e mais "buuuuuuuuum". Não é um minuto, não é de hora em hora, é o dia inteiro. Sem folga. Sem trégua.


Há momentos em que o som é ensurdecedor. Protetor auricular, algodão no ouvido, reza forte e galinha preta não adiantam. Precisa se concentrar? Não dá. Tá cozinhando? Ai, que susto! Me queimei! Durante a noite é realmente bonito, com os fogos coloridos. Mas alguém me explica porque diabos precisa passar o dia inteiro soltando aqueles que só tem o estrondo, hein? Outra coisa: me explica porque os proprietários de carros ainda não se acostumaram (afinal, a maioria deles tá soltando fogos também) com a barulheira gerada e ainda deixam os alarmes dos carros ligados? Sim, depois/durante o foguetório (que é o dia inteiro, não custa lembrar), o som alto da explosão faz com que os alarmes dos carros disparem, gerando mais um barulho...

Muitos associam a calma e o silêncio diretamente às culturas orientais. Sendo a China o maior país, muitos supõem que por aqui todo mundo é zen. É, caros amigos, o negócio é que aqui é todo mundo zen noção e não gostam de nada zen barulho...

Tá, mas este post não é sobre a minha ranzinisse (ou pelo menos não só) com o foguetório. Estou escrevendo para desejar a todos, ainda que meio atrasadinho, um ótimo ano do boi! Cheio de trabalho, grana e cerveja gelada!!!! Uebaaaaaa!!!!

24 de jan de 2009

Telhados e outras coisinhas de 曲阜 (Qufu)

Qufu (em chinês 曲阜) é a lendária terra de Confúcio, filósofo chinês mundialmente conhecido e só um pouco confuso. Esta é uma cidade bem pequeninha que fica no interior da província de Shandong, leste da China. Pra ter uma idéia, tem mais gente enterrada do que viva em Qufu. Isso porque a cidade abriga o cemitério da família Kong, família do Confúcio, e todos os descendentes estão enterrados lá. A cidade tem 60 mil habitantes vivos, o cemitério tem mais de 100 mil túmulos, o maior do mundo de uma mesma família.
Apesar do pobrezinho do Confúcio ter tido uma fama póstuma, a família do cara se deu bem.
Mesmo sendo conhecida como a terra do filófoso, Qufu gira mesmo é em torno da família Kong.

Quer ter uma idéia?
A mansão da família (que o pobre Confúcio conheceu só uma árvore onde ele aproveitava a sombra pra dar aula) e o cemitério são patrimônios da Unesco. O templo de Confúcio também, apesar do pobre também não ter visto nada.
A família Kong mandava tanto na cidade que quando chegaram as concessões alemãs na província, que eram responsáveis pela expansão da linha ferroviária, a família foi lá e berrou:"não queremos trem aqui... turistas e pessoas vão importunar nossa paz". Qualquer semelhança com o coronelismo brasileiro é mera coincidência.

Por que vale a pena conhecer Qufu?
Ora bolas, azar da família! A cidade é histórica, o templo ainda carrega as marcas da depredação do tempo da Revolução Cultural, pela proximidade com alguns impérios, o templo e a mansão guardam relíquias que são verdadeiras obras artísticas e o cemitério é fantástico!!! Um dia algum diretor de filme de terror ainda vai filmar lá, podem ter certeza! Ainda dá pra visitar a universidade de lá, dedicada inteiramente em estudar a obra de Confúcio.
Fora que pra chegar em Qufu você pode pegar o trem rápido em Beijing e andar a uma velocidade de quase 300km\h até Jinan, capital de Shandong.

Deu vontade? Então olha as fotos, dá mais vontade ainda!


Entrada da mansão da família Kong

Lugar interessante da mansão. Escreveu, não leu o castigo é ajoelhado aí, ó

Sala da mansão onde os problemas da família eram discutidos e o patriarca deliberava

Torre do sino da cidade

Te ligou nas nuvenzinhas? Elas que inspiraram as usadas em muitos materiais da Olimpíada

Essas vigas do templo de Confúcio são todas trabalhadas artesanalmente. Reza a lenda que quando o imperador vinha à cidade era necessário escondê-las porque não havia nada igual em beleza na casa imperial, a Cidade Proibida

Tá, não é segredo a minha adoração por telhados... Esse fica no templo
e esse outro na mansão da família

Aí está o túmulo de Confúcio. O corpo não fica embaixo da lápide, mas dentro daquele morro lá atrás. Agora imaginal 100 mil desses...

agora imagina isso durante a noite... dá pra rodar um filmezinho de terror nesse cemitério, né?


Dizem que quando Confúcio nasceu ele erão feio, mas tão feio, que a mãe não conseguia nem olhar para a criança e abandonou numa gruta. Aí tá um retrato de como ele seria. Quequeachou?