2 de nov de 2009

Fizeram nevar no sertão

Aqui em Beijing faz frio. Muito. Daqueles de renguear cusco e empedrar água de poço. O inverno é longo, sofrido e seco. Muito seco. Então que a gente passa uns quatro meses, pelo menos, abaixo de zero (ou por ali) e a única coisa que vê é o pote de hidrante depois do banho, já que uns dois dias sem hidratação extra a pele começa a parecer, praticamente, com uma ilustração do que é o sertão nordestino.

A culpa disso é um certo deserto (http://pt.wikipedia.org/wiki/Deserto_de_Gobi), dizem, que não só influencia no clima seco, mas traz também as terríveis tempestades de areia da primavera pequinense.

A chuva que não cai, não é problema**. O governo tem sua equipe de xamãs de plantão e uma indiada que passa o dia fazendo a dança da chuva. Afinal, todo mundo sabe que aqui o governo faz chover. Dizem que os xamãs e pajés, que tem um departamento só para eles - Escritório de Modificação do Tempo de Pequim - andam mais tecnológicos, usando umas tais bombas de iodeto de sódio nas nuvens para sacudir os deuses e fazer chover no sertão. Adoro a modernidade.

E foi isso que aconteceu neste final de semana. Eu não sabia, mas o povo se puxou chamando chuva de tanga na rua até que ela veio. Com todo o frio e a temperatura negativa, a chuva logo virou neve. Nevasca, como eu nunca vi em Beijing nos últimos dois anos. Na realidade, como eu nunca vi na vida, pois nem em Harbin no ano passado eu vi tanta neve caindo e com aquela intensidade. O governo estima que pelo menos 16 milhões de toneladas de neve caíram sobre a cidade e parece que a quantidade de sorrisos foi proporcional.

Sim, a chuva e a neve foram gerados artificialmente. O problema é que teve um povo que parece que não entendeu bem e achou que a neve fosse cenográfica, feita de isopor ou coisa que o valha. Não, gente amiga, era água que caia do céu e congelava no meio do caminho - ou quase isso. Não tinha ninguém dando mangueirada ou neve feita de algodão e isopor. Era de verdade. 

Eu como ando toda boba, tenho certeza que o povo sabe que eu tou me despedindo, por isso resolveram me dar esse presente: uniram o útil ao agradável para que eu me despedisse da neve antes de encarar o calor úmido do verão porto-alegrense de novo. Como eu não moro (nem aí nem na China) em lugar que neva muito não dá tempo de odiar e chamar de "merda branca". Fico bobinha, como todo mundo que eu conheço por aqui, gente original ou não de países tropicais. Adouro. Mesmo.

Por problemas de ordem técnica e tecnológica, as minhas fotinhos foram pro espaço, mas deixo vocês com as dos coleguinhas. A que abre este post é do blog Picassina (http://picassina.blogspot.com/2009/11/nieva-en-pekin.html). Se quiser mais, clica ali:


Vou sentir falta de Beijing. Vou sentir falta de neve. Mas juro, não vou sentir nenhuma falta de seis meses de inverno. 

** Eu sei que é um problema e o povo continua sofrendo com a falta de chuva.As regiões norte e leste do país tão sendo bem castigadas pela seca. Só na província de Fujian, no leste do país, quase 200 mil pessoas foram afetadas pela seca, além de 81,2 mil hectares de terra. A diferença é que aqui ainda dá pra fazer chover.

Nenhum comentário:

Postar um comentário