14 de set de 2008

Liberdade, liberdade

O Antonio e a Mariana, interprete dele, em dia de torcida pelo judo paraolimpico

Conheci o Antonio, recifense bacana, no dia da competicao de judo para deficientes visuais, em que o Tenorio conquistou o tetracampeonato paraolimpico. Me chamou a atencao aquele burburinho daquele lado da arquibancada. Quando vi a bandeira brasileira, tive certeza que tinha brasileiros na torcida (sim, pq mais do que isso, soh desenhando) e fui la conversar um pouquinho.
Sempre me surpreende muito essa coisa dos cegos agucarem os outros sentidos. Nao tem como nao ficar impressionada. Conversando com ele, me surpreendi de novo. O Antonio se interessa muito em saber sobre Beijing, sobre a China, ficou muito admirado por saber que moro aqui. Queria saber tudo. Principalmente uns aspectos visuais: como as chinesas se parecem, como se vestem, como sao as ruas. Mas ele tambem me falou das impressoes dele, de quem estava na capital chinesa ha apenas alguns dias. E ai que entra minha admiracao: ele falou dos cheiros de Pequim e dos chineses. Nao que a gente nao repare, mas leva mais tempo. Ele, em menos de uma semana, conhecia algumas coisas sobre o povo daqui soh de sentir o cheiro. Perguntou pq eles nao usam perfume, pq as pessoas tem um cheiro forte de alho, pq o cheiro de alcool dormido em alguns locais. Mesmo sem enxergar a doideira que eh o transito daqui, o Antonio tambem percebeu a falta de habilidade de alguns motoristas, a mania buzinar por qualquer coisa e as fechadas e trocas abruptas de pista. Acho fantastico.
Ontem fui com ele e com o Jose, que tambem eh cego, a um bar em Santilun (regiao de bares e de estrangeiros de Beijing) conversar um pouco. Tinhamos ficado de nos encontrar por lah mesmo, mas os planos precisaram ser um pouquinho alterados. Jah explico pq.
No dia do judo, o recifense falou da atencao que os voluntarios estao dando, de como sao solicitos, gentis e zelosos. Algumas vezes, zelosos ateh demais! Ateh para ir ao banheiro, quando o carinha ta la mijando, os voluntarios tao ali supervisionando pra ver se esta tudo certo. O Antonio achou essa parte meio too much, mas vai saber, coisas da hospitalidade chinesa. Soh que a parte do too much ficou ainda mais too much ontem, quando eles resolveram se aventurar pela rua. A organizacao fica tao preocupa, mas tao preocupada, que nao deixa que eles saiam sozinhos. Fiz um desvio na minha rota e fui passar la no hotel pra pegar os dois. Enquanto nao tiveram certeza de que eu nao estava sequestrando os ceguinhos, nao nos deixaram sair de la. Zelo dos chineses, muito zelo.
Soh que esse zelo todo pode ser incomodo pra um deficiente visual, como me falaram o Antonio e o Jose. A principal luta do cego eh pela independencia e autonomia: poder ler, estudar, trabalhar, se locomover sem precisar de acompanhamento constante. Simplesmente tocar a vida com liberdade. Eh nesse ponto que o zelo acaba incomodando: fazer dependente quem sempre lutou por independencia. Claro, pra organizacao deusulivre acontecer alguma coisa com qualquer partipante dos jogos, mas um pouquitito de espaco, pelo menos pra fazer xixi, nao faria mal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário