11 de ago de 2009

O que esperar de uma produção sino-nipo-brasileira? (e a lenda de Yugong Yishan)

Hoje recebemos do sempre antenadíssimo Amilton o convite para assistir Plastic City no domingo. O filme, de 2008, é uma produção conjunta entre China, Brasil e Japão, é falado em cinco idiomas e dirigido por Yu Likwai.

A exibição vai ser no no Yugong Yishan, clube muito legal, palco para bandas da cena underground de Beijing e também de projetos culturais de arte e cinema. Claro que a exibição não conta com nenhum tipo de aprovação especial do governo. Isso faz da ocasião ainda mais bacana. No Japão, o longa estreiou em março deste ano e no Brasil eu não tenho ideia.

Hoje quando fui pesquisar sobre o filme fiquei meio cabreira. Os comentários não são dos mais animadores. Lendo a sinopse do filme não dá para desconfiar muito:

"Plastic City" é um filme ambientado no tradicional bairro da Liberdade, em São Paulo. O filme tem como protagonista a imensa comunidade oriental que se estabeleceu na cidade ao longo dos anos de imigração e explora a relação entre o pai "Yuda" e o filho "Kirin".

Até aí tudo bem. Mas olhando mais por aí... olha só:

“(..)o filme conta a história de Kirin, um filho de japoneses que é adotado por um mafioso chinês quando seus pais são barbaramente assassinados na Floresta Amazônica. O velho Yuda é um contrabandista decadente. Envolvidos em seus negócios escusos, estão gente simples e políticos poderosos. Traído por peixes-grandes e rivalizando com outros marginais, Kirin entra no conflito para defender o pai de criação.”

Meio estranho, né? Mas vou dar um crédito ao filme e vou inclusive resistir à tentação de assistí-lo antes, online, dica da Jana. Claro, se você quiser, olha aqui, mas não me conta nada. Na segunda-feira que vem eu volto para contar como foi.

A lenda chinesa Yugong Yishan (愚公移山)

"Yugong Yishan", o nome do clube onde será exibido o longa, se refere a uma lenda chinesa, que conta a história de um homem tentou mover uma montanha sozinho. Eu acho tudo a ver com o que faz o bar. Dá uma lida na história completa e depois me diz se concorda comigo:

Há muito tempo atrás, havia uma grande montanha, chamada Tai Ying, e um homem chamdo Yu. A montanha separava Yu do povoado mais próximo, fazendo com que, todos os dias, Yu precisasse caminhar muitos quilômetros a mais contornando a montanha para chegar ao povoado.

Um belo dia Yu decidiu que ia tirar a montanha Tai Ying dali.

Ele chegou em casa e chamou o filho e o neto e disse: "Eu vou mover Tai Ying". A família inteira comemorava, quando o filho perguntou onde Yu pretendia colocar a montanha. "Eu vou jogá-la no mar". A família comemorou ainda mais e prometeu ajudar na empreitada.

Mover montanhas é uma tarefa difícil e a montanha Tai Ying não foi exceção. Ano após ano, apenas uma ínfima parte da montanha havia sido jogada no mar.

Um dia, um homem no povoado riu de Yu, dizendo que seu sonho era ingênuo, que ele era um velho e que a Tai-Ying era "monstruosa". O nosso personagem sorriu e disse: "Você está certo, mas sua visão é muito limitada. Eu tenho filhos que terão filhos, que terão filhos. Conforme o tempo passar eu ficarei forte, enquanto a montanha enfraquecerá. Tai-Ying será movida"

Nenhum comentário:

Postar um comentário